Webnode

Clima e formações vegetais

Muitas vezes confunde-se estado de tempo com clima. Embora sejam conceitos diferentes, eles estão interligados, uma vez que à sucessão habitual do estados de tempo, que ocorrem numa área, durante um longo período de tempo dá-se o nome de clima.

O estado de tempo corresponde às condições atmosféricas (temperatura, precipitação, nebulosidade, etc) num certo momento e lugar.

As condições atmosféricas variam de dia para dia e de lugar para lugar. Contudo, os estados do tempo em Portugal e noutros países sucedem-se de forma semelhante de ano para ano.

 

É igualmente importante saber que existem diferentes:

  • Zonas Climáticas
  • Tipos de Clima

Essa diferenciação resulta da conjugação dos vários elementos clima caracteriza-se pelo comportamento de vários elementos (temperatura, precipitação, humidade, pressão atmosférica, nebulosidade, vento, entre outros), sendo a temperatura e a precipitação os mais importantes.

 

 

ELEMENTOS E FATORES CLIMÁTICOS

Elemento climático: Temperatura

A partir do registo das temperaturas podemos calcular:

TEMPERATURAS MÉDIAS (soma dos valores de temperatura registados a dividir pelo número de registos)

AMPLITUDES TÉRMICAS (diferença entre a temperatura máxima e a temperatura mínima registadas).

Estes cálculos podem ser feitos para um dia (diurna), para um mês (mensal) ou para um ano (anual).

 

Como consequência do Movimento de Rotação, a temperatura varia ao longo de um dia: quanto maior é a inclinação dos raios solares mais fraco é o aquecimento.

Como consequência do Movimento de Translação, a temperatura varia em latitude e ao longo do ano.

 

 

Podemos analisar a distribuição das temperaturas em mapas de ISOTÉRMICAS (linhas que unem pontos de igual temperatura).

Mapa de isotérmicas - Janeiro

 

Mapa de isotérmicas - Junho

 

De acordo com esses mapas podemos estabelecer zonas térmicas:

  • Registam-se temperaturas médias anuais elevadas e fracas amplitudes térmicas anuais junto ao Equador
  • Registam-se temperaturas médias anuais moderadas e maiores amplitudes térmicas anuais nas latitudes médias
  • Registam-se temperaturas médias anuais baixas e fortes amplitudes térmicas anuais junto aos Pólos.

 

Com base na distribuição das temperaturas em latitude divide-se a Terra em zonas climáticas:

  • ZONA QUENTE ou INTERTROPICAL (localizada entre os trópicos)
  • ZONAS TEMPERADAS DO NORTE E DO SUL (localizadas entre os trópicos e os círculos polares)

ZONAS FRIAS DO NORTE E DO SUL (respectivamente a Norte e a Sul dos círculos polares)

 

 

FATORES QUE INFLUENCIAM A TEMPERATURA

 

 

 Elemento climático: precipitação

 

 

A precipitação é a queda de água no estado líquido (chuva) ou sólido (neve e granizo). Resulta da condensação do vapor de água que existe na atmosfera.

Para se medir a quantidade de precipitação caída por unidade de superfície, durante um certo intervalo de tempo, utliza-se um pluviómetro. A medição exprime-se em milímetros de altura (mm) ou em litros por metro quadrado (l/m2). A cada litro por metro quadrado corresponde a um milímetro de altura.

A precipitação mensal obtém-se a partir da soma do volume de água caída durante todos os dias de um mês. Do mesmo modo, a precipitação total anual resulta da soma do volume de água caída ao longo dos meses do ano.

 

 

A precipitação é a queda de água no estado líquido (chuva) ou sólido (neve e granizo). Resulta da condensação do vapor de água que existe na atmosfera.

Para se medir a quantidade de precipitação caída por unidade de superfície, durante um certo intervalo de tempo, utliza-se um pluviómetro. A medição exprime-se em milímetros de altura (mm) ou em litros por metro quadrado (l/m2). A cada litro por metro quadrado corresponde a um milímetro de altura.

A precipitação mensal obtém-se a partir da soma do volume de água caída durante todos os dias de um mês. Do mesmo modo, a precipitação total anual resulta da soma do volume de água caída ao longo dos meses do ano.

 

À semelhança da temperatura, a precipitação também se distribui de forma irregular à superfície da Terra. Os valores mais elevados registam-se nas regiões equatoriais (América Central, Noroeste da América do Sul, no Sul e Sudeste da Ásia). Em oposição, os valores mais baixos ocorrem nas regiões tropicais (Norte e Sudoeste do continente africano, interior da Austrália, etc.) e nas regiões polares (Norte do Canadá, Gronelândia, Antártida, Norte da Ásia, etc.). Nestas regiões a precipitação é muito escassa e por vezes nula, sendo ali que se localizam os maiores desertos quentes e frios do mundo.

 

Distribuição da precipitação à superfície da Terra

 

 

TIPOS DE CHUVAS

  • Chuvas Orográficas ou de Relevo: tem origem no encontro com uma elevação da superfície terrestre
  • Chuvas Convergentes: tem origem na convergência e futura ascendência dos ventos
  • Chuvas Convectivas:tem origem num sobreaquecimento da superfície terrestre
  • Chuvas Frontais: tem origem no encontro de 2 massas de ar com características diferentes

 

FATORES QUE INFLUENCIAM A PRECIPITAÇÃO

 

 

Elemento climático: Humidade

É medida pelo higrómetro, aparelho que mede o grau de humidade atmosférica e que se exprime em gramas de água por m3 de ar (g/m3)

 

Elemento climático: vento

É medido pelo anemómetro, aparelho que permite medir a velocidade do Vento (km/hora)

 

Elemento climático: Pressão atmosférica

É medida pelo barómetro, aparelho que se exprime em milibares (mb).

 

 

A pressão atmosférica é o peso que o ar exerce à superfície da Terra. O seu valor expressa-se em milibar (mb) ou em hectopascal (hp).

O valor normal da pressão atmosférica é de 1013 mb ou 1013 hp.

No entanto o valor da pressão varia por influência de dois factores principais:

  • a altitude ( a pressão diminui com a altitude pois diminui a coluna de ar atmosférico sobre um lugar)
  • a temperatura ( o ar quente é mais leve e sobe, diminuindo a pressão; o ar frio é mais pesado e desce, aumentando a pressão).

 

Para além destes pode haver outros factores a influenciar o valor da pressão atmosférica.

Os centros barométricos podem ser:

CENTROS DE ALTAS PRESSÕES ou ANTICICLONES - quando o peso do ar é superior ao normal

  • Nos centros de Altas Pressões o movimento do ar é descendente em altitude e divergente à superfície;

CENTROS DE BAIXAS PRESSÕES ou DEPRESSÕES - quando o peso do ar é inferior ao normal

  • Nos centros de Baixas Pressões o movimento do ar é convergente à superfície e ascendente em altitude.

O ar desloca-se sempre das altas para as baixas pressões e a esse movimento na horizontal chamamos vento.

 

O movimento do ar faz com que os centros barométricos estejam associados a determinados estados de tempo:

  • as altas pressões estão associadas a bom tempo pois o ar ao descer aquece e afasta-se da saturação, sendo impossível a formação de nuvens e a chuva.
  • as baixas pressões estão associadas a mau tempo pois o ar ao subir arrefece e aproxima-se da saturação, formando-se nuvens que dão origem a chuva.

Ficheiro:Ciclone.jpg

 

Os centros de pressão têm uma distribuição zonal à superfície da Terra:

no Equador existe uma faixa de baixas pressões

nos Trópicos existe uma faixa de altas pressões

nos Círculos Polares existe uma faixa de baixas pressões

nos Pólos existem altas pressões

 

 CLIMAS

 

 

 

 

 

Webnode